Connect with us

Geral

Vacinar crianças é fundamental para imunidade coletiva, alerta Fiocruz

Publicado

em

Sem a vacinação em massa das crianças brasileiras contra a covid-19, dificilmente conseguiremos atingir os patamares mínimos de imunização necessários para proteção coletiva da população no Brasil. A conclusão é de um estudo inédito da Fiocruz, submetido à Revista Brasileira de Epidemiologia, e apresentado em formato preprint nesta terça-feira, 21. A divulgação ocorre em meio à polêmica capitaneada pelo governo sobre a vacinação dos menores de 5 a 11 anos.

O trabalho analisa a evolução da cobertura vacinal no País e revela que o ritmo do avanço da imunização vem caindo sistematicamente desde setembro e já chegou, praticamente, à estagnação. Caso essa tendência se confirme, teríamos, ao final do processo, cerca de 75% da população vacinada, o que é muito pouco para a proteção coletiva. O ideal seria termos, no mínimo, 85%. Para os pesquisadores, sem as crianças, será praticamente impossível alcançar esse porcentual.

Segundo o estudo, a principal forma de superar a curva de estagnação num patamar baixo é ampliar as faixas etárias elegíveis à vacinação, com a vacinação das crianças dos 5 aos 11 anos. Embora o uso da vacina da Pfizer já esteja aprovado pela Anvisa para essa faixa etária, o governo vem criando obstáculos para disponibilizar o imunizante.

Além disso, frisam os especialistas, embora o porcentual de menores que apresentam casos graves de covid-19 seja pequeno em relação ao de idosos, a doença já matou mais crianças do que as vinte enfermidades abarcadas pelo calendário nacional de imunizações.

Mais Lidas